Gestão pessoal

Por quê é preciso parar de tentar ser feliz no trabalho

Susan Peppercorn
18 de dezembro de 2019

Muito já foi escrito sobre a felicidade no trabalho. Mas, a julgar pelas estatísticas do instituto de pesquisa Gallup, mostrando que 85% dos funcionários não se sentem engajados no trabalho, poucas pessoas sabem como alcançá-la. Em média, uma pessoa comum passará 90 mil horas de sua vida trabalhando. Portanto, é importante descobrir como se sentir bem enquanto exerce seu ganha-pão. Eis a pegadinha: eleger a felicidade como seu maior objetivo pode ter efeito contrário. Isso porque a felicidade, assim como todas as emoções, é um estado efêmero. Uma solução alternativa é escolher o significado como objetivo vocacional.

Leia também:

Vale a pena ser otimista

Quando confiar na sua intuição em decisões importantes

Como aponta a escritora Emily Esfahani Smith, as pessoas que buscam significado para a vida pessoal e profissional têm maior probabilidade de vivenciar um bem-estar duradouro. Pesquisas mostram que encontrar sentido no trabalho é uma das formas mais eficientes e subutilizadas de aumentar produtividade, engajamento e desempenho. Em uma pesquisa com 12 mil funcionários, 50% afirmaram não ver sentido ou significado em seu trabalho. No entanto, aqueles que responderam afirmativamente relataram maior satisfação no trabalho (1,7 vezes), maior engajamento (1,4 vezes) e tinham três vezes mais probabilidade de permanecer no atual emprego.

Como coach de executivos em transição de carreira, sempre escuto de meus clientes o desejo de encontrar sentido no trabalho. Veja o exemplo de Jon (nome fictício). Ele montou uma empresa de biotecnologia, que cresceu e chegou a faturar mais de US$ 2 bilhões. Os investidores mal podiam esperar para que ele assumisse a presidência de outra empresa. Diante de oportunidades aparentemente irresistíveis, porém, Jon confessou que preferia cuidar de assuntos importantes na área da saúde – que, para ele, ninguém conseguia resolver. Embora se sentisse lisonjeado em ser cogitado para uma função de alto nível, ele buscava mais do seu trabalho, o que incluía satisfação e engajamento profissional em longo prazo.

A Diferença Entre Significado e Felicidade

Em pesquisa recente, Shawn Achor e sua equipe concluíram que nove em cada dez pessoas estariam dispostas a trocar um percentual de seus rendimentos durante toda a vida por um trabalho com mais significado. É um número expressivo de profissionais que aceitariam reduzir sua remuneração em nome de fazer a diferença com seu trabalho. Mas o que de fato buscamos ao dizer que queremos mais “significado”, e de que forma isso se diferencia de buscar a felicidade?

Filósofos, acadêmicos, artistas e psicólogos sociais tentam há anos chegar a uma resposta para essa questão. Segundo pesquisa conduzida pelo psicólogo Roy Baumeister sobre felicidade e significado, há cinco fatores que diferenciam os dois conceitos:

Obter o que se quer ou precisa. A felicidade envolve ter seus desejos satisfeitos, enquanto o significado, não. Na verdade, Baumeister escreveu que “a frequência de sentimentos positivos e negativos tem efeito irrelevante para o significado, que pode surgir nas condições mais adversas”. Por exemplo, Jon pode gostar do prestígio de ser um CEO, mas sua busca por fazer algo importante, mesmo que não lhe trouxesse aquele benefício, foi maior.

Tempo. Baumeister concluiu que a felicidade tem relação direta com o aqui e agora, enquanto o significado “parece resultar da soma de passado, presente e futuro, na construção de uma história coerente”. No caso de Jon, embora o título de alto executivo pudesse trazer uma felicidade imediata, ele estava disposto a abrir mão daquele pico de endorfina, em nome de algo que refletisse melhor sua ideia de todo e seus valores de longo prazo.

Vida Social. Os vínculos socias são importantes, tanto para a felicidade, quanto para o significado, mas as características de tais vínculos dizem muito sobre o tipo de realização por eles proporcionada. Baumeister concluiu que ajudar os outros gera significado, enquanto ser ajudado pelos outros gera felicidade. O desejo que Jon tinha de usar suas aptidões para ajudar os outros fez com que estivesse predisposto a buscar aquele papel.

Desafios. Estresse, conflitos e dificuldades reduzem a felicidade, “mas parecem ser parte inerente a uma vida cheia de significado”, de acordo com Baumeister. Jon estava disposto a escolher o caminho mais difícil como alternativa ao emprego de CEO, com o objetivo de aumentar as chances de encontrar significado no trabalho.

Identidade pessoal. Uma importante fonte de significado são as ações ou atividades de “expressão pessoal”. Mas elas são praticamente irrelevantes quando se busca a felicidade. A atração de Jon a um trabalho diferente era uma expressão do que mais importava para ele.

Como Priorizar o Significado

As diferenças acima fornecem diretrizes na condução da sua vida profissional rumo ao significado, o que, segundo pesquisa do psicólogo Pninit Russo-Netzer, pode, em última hipótese, levar também à felicidade. A seguir, quatro dicas de como trazer mais significado para o seu trabalho:

  1. Mantenha um diário de atividades. Identifique os projetos e tarefas que considera profundamente satisfatórios (em contraposição àquelas que trazem gratificação em curto prazo). Você se sente realizado ao fazer apresentações para clientes, por exemplo? Fica cheio de energia ao fazer mentoria ou coaching para funcionários júnior, imaginando o quanto seu empenho no momento contribuirá positivamente para o futuro deles?
  2. Alinhe seus valores e ações ao escolher suas prioridades. Se a mentoria estiver relacionada à sua identidade pessoal e expressão pessoal, faça com que isso seja parte de suas atividades semanais. Se o desenvolvimento pessoal é um valor central, incorpore rituais diários, como escutar podcasts, fazer cursos, ou participar de um grupo de mentoria.
  3. Foque em relacionamentos, não apenas em resultados. Mas seja incisivo em relação a isso, tendo em mente a ideia de Baumeister, segundo a qual contribuir para o bem-estar do outro tem ligação direta com a obtenção de significado.
  4. Compartilhe narrativas de evolução pessoal com colegas. Como parte do espírito de ajudar o próximo, auxilie as pessoas a identificar que tipo de atividades lhes proporciona verdadeira expressão pessoal e significado. No livro “Alive at Work” (Vivo no Trabalho, em tradução livre), o autor Daniel Cable sugere que colegas compartilhem histórias sobre o melhor em cada um. Você pode falar dos seus colegas e pedir que eles façam o mesmo por você, em troca.

Viver com significado e propósito pode não o tornar feliz, pelo menos em curto prazo. É um processo de reflexão pessoal, empenho e luta com questões que podem ser bem frustrantes, em princípio. No entanto, quando se lida atentamente com as questões profissionais, buscando contribuir com os outros e honrando sua identidade pessoal, é que se encontram as oportunidades para por em prática as aptidões que nos ajudam a achar o valor intrínseco do trabalho.


Susan Peppercorn é coach de transição de carreira para executivos e palestrante. Autora de “Ditch your inner critic at work: evidence-based strategies to thrive in your career”, já contribuiu com inúmeras publicações, tais como New York Times, Wall Street Journal, Fast Company, Boston Globe e SELF Magazine, com suas opiniões sobre carreira.

Compartilhe nas redes sociais!

replica rolex