Diversidade

Diversidade e a falta de mão de obra em tecnologia

Matheus Fonseca
4 de março de 2020

Já pensou como seria se cada um de nós fossemos avaliados, no ambiente de trabalho, por nossas habilidades, características, personalidade e experiências de vida? E se as empresas usassem esses critérios para encontrar talentos? Será que gênero, idade, raça e instituição onde a pessoa estudou, são informações que estão afetando o julgamento dos recrutadores? Muito pode mudar em uma empresa quando alteramos a forma de contratação – e arrisco dizer que a melhor forma de fazer isso é começando pelos processos de estágio e programas de trainee.

Leia também:

Uma abordagem baseada em dados para maior diversidade na contratação de talentos

Como superar o medo de falar sobre a diversidade

Se os vieses inconscientes forem quebrados na hora de contratar é possível a formação de times cada vez mais diversos e o surgimento de novas oportunidades benéficas para empresas e funcionários. Mas para atingir esse patamar, precisamos fugir do convencional em recrutamento. Um bom processo, além de informativo, é aquele que faz o candidato sentir que teve a oportunidade de aprender e se desenvolver nele e, mesmo não sendo escolhido, desenvolva uma relação positiva com a empresa e o processo de seleção. Uma pesquisa do LinkedIn mostrou que 75% dos candidatos levam em consideração a marca empregadora antes mesmo de se inscrever para uma vaga.

Para ajudar em programas com muitas inscrições, uma forma de deixar que as qualidades de cada um brilhem e evitar vieses tanto quanto possível, é fazer um processo às cegas. Felizmente o avanço da tecnologia tem tornado isso cada vez mais simples e menos custoso. Já existem ferramentas que ocultam, por exemplo, gênero, idade, instituição de ensino e outras informações não essenciais em etapas online, que podem ajudar. É importante também treinar a equipe de recrutamento para lidar com essas tendências, especialmente as inconscientes.

Ainda que não seja possível remover totalmente os vieses já incutidos nos processos de seleção e até mesmo nas ideias pré-concebidas sobre recrutamento, podemos treinar para adquirir consciência deles e sermos menos afetados. Uma pesquisa da plataforma de recrutamento britânica SomeoneWho mostrou que apenas 32% dos funcionários da área de RH acreditavam que não estavam sendo influenciados por algum tipo de preconceito ao realizar contratações e 48% admitiram que tiveram suas decisões impactadas.

A esta altura você talvez se pergunte: mas por que se preocupar tanto com isso? A resposta é que apenas mudando a maneira de selecionar, mudamos também o perfil das pessoas que contratamos. E quanto mais diversa for uma equipe – em ideias, histórias e perfis, assim como em gênero, raça e credo – melhores serão seus resultados.

Trabalhar com as diferenças nos desafia e ajuda a gerar embates saudáveis de ideias. Além disso, nos estimula, de forma natural, a pensar fora da caixa – algo que as empresas tanto querem. Mas se esses argumentos não bastarem, os dados nos ajudam: de acordo com pesquisa realizada pela McKinsey & Company, empresas com maior equilíbrio de gênero são 21% mais propensas a ter lucratividade acima da média. Do ponto de vista étnico e cultural, os dados indicam 33% de probabilidade de desempenho superior.

E por que começar com programas de estágio e trainee? Porque vivemos, em especial nas empresas de tecnologia, um momento de grande dificuldade de contratação, especialmente entre funcionários de nível pleno e sênior. A própria velocidade de transformação do setor torna difícil encontrar no mercado profissionais com os conhecimentos necessários. Se a oferta já é escassa, imagine encontrar ainda pessoas que tenham fit cultural, além das habilidades técnicas.

Este problema só será resolvido se começarmos a contratar jovens talentos dispostos a aprender e dermos a eles as ferramentas e o apoio que precisam para se desenvolver. É um trabalho a longo prazo, mas seu potencial de transformação profunda não deve ser ignorado por organizações que desejam prevalecer sobre as dificuldades e deixar uma marca duradoura em seus mercados. Investir nos jovens é investir no futuro da sua empresa. 


Matheus Fonseca é coordenador de Employer Branding do Grupo Movile.

Compartilhe nas redes sociais!

Posts Relacionados

replica rolex