Gestão pessoal

Não se monitore demais

HBR Staff
12 de abril de 2016

Ter objetivos é uma coisa ótima. Mas a moda atual de monitorar a si próprio – seja através de aplicativos que mantém registros de seus avanços cronologicamente, como o Toggl, ou que mostram sua evolução física, como o Fitbit – nos fazem permanecer em um estado constante de vigilância em todos os campos: quantas vendas fazemos, as horas que trabalhamos, os quilômetros que corremos. Monitorar demais pode se tornar cansativo e nos fazer perder de vista os verdadeiros propósitos do que estamos fazendo. Evite esse tipo de coisa tendo uma abordagem um pouco mais humana: avalie a si mesmo. Se você está constantemente medindo os resultados do que está fazendo e se sentindo mal ao fazer outras coisas que realmente queira, é hora de relaxar um pouco. Repense o porquê de estar fazendo isso. Pense se você está monitorando hábitos porque isso dá certo para você ou porque é o que você acha que é o que você deveria fazer. Desaponte os outros. Não se preocupe pensando nas coisas que as outras pessoas esperam que você faça ou seja. Deixe algumas delas irem embora. Seja corajoso. Não olhe para si mesmo como se fosse um placar de metas.

Adapatado de “The Perils of Overmonitoring Your Behavior and Goals”, por Elizabeth Grace Saunders.

Compartilhe nas redes sociais!