Gestão pessoal

Como administrar a montanha-russa emocional da procura por um emprego

Rebecca Zucker
2 de dezembro de 2019

A maioria de nós, em algum momento da carreira, fará uma busca por um emprego – se não várias. Da mesma forma que possa ser um momento de empolgação e esperança de novas oportunidades que possam surgir, este também pode ser um momento de grande incerteza e ansiedade. É provável que você não só sinta a grande variedade de possíveis emoções ao longo da procura de um emprego de forma geral, como também sinta essas oscilações ao longo de um único dia ou uma semana. Você fica radiante no momento em que fica sabendo que é o melhor candidato para uma vaga almejada, até que se decepciona quando a vaga é destinada à outra pessoa – ou talvez você tenha ficado descontente com seu desempenho numa entrevista de emprego, mas ainda assim , aliviado em saber que conseguiu passar para a próxima etapa de entrevistas.

Leia também:

Como ser notado pelo chefe do seu chefe

Três motivos por que é tão difícil “seguir sua paixão”

O processo da procura de emprego é repleto de altos e baixos, sem contar com a preocupação que acompanha a incerteza do futuro da sua carreira e da sua vida. Eis algumas estratégias para administrar a montanha-russa emocional da procura de emprego:

Saiba o que está por vir. A procura de um emprego é um processo que pode durar várias semanas ou, mais provavelmente, vários meses. Como em qualquer outro processo, há altos e baixos. Numa semana você tem reuniões de networking e entrevistas marcadas, as pessoas estão respondendo aos seus e-mails e você tem motivação e esperança; em seguida, silêncio total, o que deixa você confuso, frustrado e sem esperanças. Saber desde o princípio que você sentirá essas mudanças nas atividades e nas emoções pode lhe ajudar a prever esses acontecimentos e saber como lidar melhor com eles quando de fato acontecerem. Especialmente, ao identificar a fase desfavorável do ciclo, diga a si mesmo, “Eu sabia que haveria dias em que nada iria acontecer e eu ficaria frustrado, e hoje é um desses dias.” Ao saber que esse dia está por vir, você ficará menos surpreso e será menos afetado, com menos probabilidade de levar para o lado pessoal, fazendo com que você se recomponha e continue a busca com mais facilidade.

O processamento das emoções. Envolver-se em atividades como meditação ou fazer o registro dos seus pensamentos pode ajudar no processamento das emoções negativas à medida que aparecem. Em vez de evitar, esconder ou ficar pensando nas suas emoções – que se mostram relacionadas à ansiedade e depressão – trabalhá-las por meio da meditação plena ou do registro dos seus pensamentos implica, na verdade, em senti-las de forma mais completa. É essa habilidade de viver essas emoções – sem tentar julgá-las ou alterá-las – que nos faz atravessá-las mais rápida e eficientemente. Em um estudo clássico, engenheiros desempregados registraram seus pensamentos e emoções relacionados ao desemprego por apenas 20 minutos por dia, por cinco dias. Oito meses depois, 52% haviam encontrado um emprego, comparados a somente 18,6% para o grupo-controle organizado. Além disso, uma breve meditação plena gera um processamento melhor das emoções e uma reatividade emocional reduzida, comprovando a melhoria nesse processamento, mesmo quando não estamos meditando.

Busque apoio. Ter alguém para conversar durante o processo de procura de emprego – como um coach de carreira, um terapeuta ou um grupo de trabalho focado nessa busca pode propiciar o apoio emocional tão desejado, além daquele apoio dos amigos e da família. Um coach de carreira com experiência, especialista em processos de procura de emprego também ajuda a normalizar o que você está passando e sentindo em qualquer fase da sua procura, e pode também ser um bom ouvinte que ajude a norteá-lo quando você estiver inseguro com relação a você mesmo ou ao que fazer. Da mesma maneira que um coach, um grupo de trabalho focado em procura de emprego também pode ajudar você a ter a sensação de parceria, a fim de mitigar a sensação de solidão que normalmente ocorre durante a procura de emprego, criando uma sensação de comunidade e oferecendo ajuda tangível para que você avance na sua busca.

Envolva-se em atividades energizantes. Faça com que seus dias incluam atividades energéticas, como fazer exercícios, escutar sua música favorita ou alguma outra atividade que dê energia. Seu humor e o nível de energia irão despontar na sua interação com as pessoas, seja um encontro para um café com um ex-colega de trabalho, um evento de networking ou uma entrevista de emprego. Fazer exercícios, em especial, não só causa impacto positivo no humor, como também aumenta a autoestima, a socialização, a motivação e cognição e pode ajudar você a encontrar o seu momento ideal. David, um dos meus clientes, começou a fazer exercícios diariamente durante a sua procura de emprego. Ele não só perdeu quase 7 quilos de cintura, como também se sentiu mais forte mental e fisicamente, tendo uma sensação de autocontrole maior e mais confiante ao ir a entrevistas.

Estabeleça perspectivas. É fácil sentir que não tem forças ou motivação quando as coisas não avançam na procura de um emprego da maneira que gostaríamos. Pode ser que um contato seu não tenha lhe apresentado a alguém conforme o prometido, ou um recrutador não tenha feito contato com você dentro do prazo que, inicialmente, disse que faria. Da mesma forma que você pode enviar um lembrete simpático, dê um passo para trás e pense que essas pessoas também têm outras prioridades. É possível que a sua procura de emprego não seja uma prioridade para eles, não importa quando. Ao visualizar a situação dessa forma, você não a leva para o lado pessoal e consegue diminuir as emoções negativas envolvidas.

Roberta, outra cliente minha, estava extremamente deprimida quando a sua procura de emprego atingiu o marco de um ano depois de ela ter perdido o cargo em finanças na última recessão. A sua depressão – embora compreensível – gerou um ciclo improdutivo de pensamentos e sentimentos negativos que a paralisou em sua procura. Eu perguntei a ela o que “a Roberta, daqui a 20 anos” diria sobre esse ano de desemprego. Sem hesitar, ela disse “Ah, foi uma falha.” Esse olhar de que “foi uma falha” fez com que a Roberta ressurgisse de seus sentimentos depressivos, não somente para enxergar um futuro mais bem sucedido, como também para conseguir seguir em frente de maneira mais produtiva e, no final das contas, conseguiu outro emprego como sócia de uma empresa de investimentos de alto desempenho. Os sentimentos têm duração, como qualquer outra situação que os crie (como uma procura de emprego). Enxergar esses desafios como temporários é a parte mais importante do otimismo, que é associado a altos níveis de motivação, conquistas, bem-estar e baixos níveis de sintomas de depressão.

Utilizar as estratégias acima pode fazer com que as transições inevitáveis entre os altos e baixos da procura de emprego sejam contornadas, bem como ajudá-lo a se manter motivado e produtivo ao longo da jornada.


Rebecca Zucker é coach para executivos e sócia fundadora da Next Step Partners, uma empresa renomada em desenvolvimento de líderes. Seus clientes incluem Amazon, Clorox, Morrison Foerster, the James Irvine Foundation, Skoll Foundation, e empresas de tecnologia com alto potencial, como DocuSign e Dropbox.

Compartilhe nas redes sociais!

replica rolex