Inovação

Clayton Christensen: O Essencial

HBR
26 de janeiro de 2020

Clayton Christensen morreu em 23 de janeiro de 2020. A seguir, apresentamos algumas de suas peças seminais publicadas pela HBR Brasil com uma adaptação da introdução ao livro The Clayton M. Christensen Reader.

Clayton M. Christensen é mais conhecido por sua teoria da inovação disruptiva, na qual alerta grandes empresas estabelecidas do perigo de se tornarem boas demais naquilo que fazem melhor. Para aumentar as margens de lucro e a receita, ele observa, essas empresas tendem a desenvolver produtos para satisfazer as demandas de seus clientes mais sofisticados. Por mais bem-sucedida que seja essa estratégia, significa que essas empresas também tendem a ignorar oportunidades para atender às necessidades de clientes menos sofisticados – que podem eventualmente formar mercados muito maiores. Um iniciante pode, portanto, introduzir um produto mais simples, mais barato e, assim, se tornar mais amplamente adotado (uma “inovação disruptiva”). Por meio da inovação incremental, esse produto é refinado e cresce no mercado, completando a disrupção da empresa original.

O trabalho de Christensen sobre disrupção é matizado e muitas vezes incompreendido. Nem toda tecnologia extremamente inovadora é “disruptiva” (embora você não saiba disso pela maneira como jornalistas e entusiastas da tecnologia divulgam a palavra). Nem todas as startups vencerão a empresa estabelecida. Nem todas as grandes empresas irão quebrar. A leitura dos artigos originais da Harvard Business Review sobre disrupção fornece uma imagem mais precisa de sua teoria e como as empresas podem se preparar e superar a ameaça que ele descreve.

Grande parte dessa imagem vem dos estudos de caso incorporados em cada artigo. Christensen era um contador de histórias, e seus exemplos de negócios servem como parábolas. Convincentes e memoráveis, eles fornecem aos leitores o contexto para aplicar suas idéias às próprias indústrias. Quem conhece o trabalho de Christensen está familiarizado com o sucesso das pequenas fábricas de aço (disruptores!) E com o destino da Digital Equipment Corporation (quebrada!). Eles sabem o que está por trás da criação do melhor milk shake e por que o iPod foi o MP3 player que realmente decolou (um modelo de negócios inovador). Em “Que critérios pautarão sua vida?”, Christensen reflete sobre o uso de contar histórias para convencer um poderoso CEO a mudar de estratégia e ir ao fundo do mercado. “Se eu tivesse sido convencido a dizer a Andy Grove o que ele deveria pensar sobre o negócio de microprocessadores, eu seria morto. Mas, em vez de dizer a ele o que pensar, eu (contei a história a pequenas fábricas e) o ensinei a pensar. ”Os artigos de Christensen fazem o mesmo com os leitores.

Aqui reunimos aqui os trabalhos de Christensen publicados na HBR Brasil. Neles, Christensen examina muitas peças diferentes do quebra-cabeça da ruptura. O entendimento dessas peças é fundamental para as equipes de estratégia, as unidades de desenvolvimento de produtos e os líderes organizacionais. São eles:

Que critérios pautarão sua vida?

Inovação disruptiva para a mudança social

Compartilhe nas redes sociais!

replica rolex