Com 2016 começando, você provavelmente já definiu objetivos de negócio para o próximo ano: lançar um novo produto, aumentar as vendas em 20%, ou completar a aquisição. Você pode até ter tomado decisões pessoais de ano novo, como perder 5 quilos, ir à academia três vezes por semana ou, finalmente, aprender espanhol.

Mas o desenvolvimento profissional – o aperfeiçoamento no trabalho que vai além de atingir objetivos de desempenho específicos – é muitas vezes deixado para o momento de ticar mecanicamente os itens na avaliação anual de desempenho. Para avançar com êxito ao próximo nível, precisamos nos perguntar: Como posso garantir que eu sou mais valioso no final do ano do que eu era no começo?

Alguns dos investimentos podem demorar para dar resultados. Mas persistir até o fim provavelmente será sua vantagem competitiva pessoal, já que tantas pessoas se concentram apenas em ganhos rápidos e abandonam o resto.

Há três formas principais de desenvolvimento profissional: aprendizagem, networking, e criação. Dependendo da fase de sua carreira e de suas outras metas para o ano, você pode querer priorizar uma delas.

Criar suas metas de aprendizagem começa com a identificação das lacunas em seu conhecimento ou experiência atual. Existem aspectos de seu trabalho ou área de atuação com os quais você não está suficientemente familiarizado? Se você mudou para um novo emprego ou área de atuação, pode ser interessante fazer uma pesquisa básica para que você possa se familiarizar com a literatura específica do campo.

Quando eu comecei meu negócio de consultoria uma década atrás, passei um pouco de tempo toda noite, por cerca de três anos, lendo autores clássicos de gestão, como Peter Drucker, e escritores atuais populares como Jim Collins e Keith Ferrazzi. Se você quer ser levado a sério como consultor, precisa ao menos saber o que significa “colocar as pessoas certas no ônibus” ou “nunca coma sozinho.”

Da mesma forma, se você estiver em uma nova missão internacional, vai querer mergulhar no jornalismo narrativo sobre política e cultura locais, e nas obras de ficção mais importantes que as pessoas no país citam (e esperam que você conheça).

Pode haver habilidades específicas que você queira aprender ou tendências interessantes no horizonte que você gostaria de entender mais a respeito. A partir daí, você pode escolher o melhor método – seja um curso (presencial ou online), leitura independente, ou ouvir podcasts.

Desenvolver seus objetivos de networking começa com um exame sobre onde se situa o poder na sua organização. Especificamente, quem tem o controle sobre o seu futuro profissional? Claramente é o caso do seu patrão, mas muitas vezes as decisões sobre promoção ou a atribuição de tarefas desejáveis não vêm apenas dele. Quem mais tem influência? E quem são as pessoas que ele escuta mais de perto? Como eu descrevo em “Uma estratégia de campanha para sua carreira”, você pode desenhar um mapa de poder que reflete essas relações, e usar um código de cores: verde, se você tem uma relação estreita, amarela se é morna e vermelho se é negativa ou não-existente.

Sua meta para o ano deve ser a de melhorar cada relacionamento-chave em uma cor; ou seja, transformar relações vermelhas em amarelas, e amarelas em verdes. Pense em formas de a gastar mais tempo com as pessoas chave (sem parecer inconveniente ou oportunista). Se vocês participam da mesma comissão, você poderia sugerir um café para conversar sobre os últimos desenvolvimentos. Talvez você possa sair mais tarde, para conversar mais com o assistente  do seu chefe, para que possa desenvolver um relacionamento mais firme. Ou talvez alguém importante que tem influência está patrocinando uma mesa em um jantar de caridade e está à procura de pessoas para comprar entradas; isso pode ser uma grande oportunidade para apoiar uma causa com a qual ele se preocupa e passar três horas o conhecendo fora do trabalho.

Se você está em sua empresa há algum tempo e já tem uma rede robusta de relacionamentos, você pode expandir seus objetivos de networking para fora: quem mais você quer conhecer em sua área, ou em sua comunidade local de negócios?

Finalmente, uma das formas mais subutilizadas de desenvolvimento profissional é a criação. Muitas pessoas entendem o desenvolvimento profissional como uma forma passiva de melhorar habilidades. Mas criar conteúdos e compartilhar suas ideais é uma forma valiosa de desenvolvimento profissional por dois motivos. Em primeiro lugar, o ato de escrever (ou dar palestras ou fazer um podcast ou criar vídeos) o obriga a cristalizar seu conhecimento em uma forma que é compreensível e atraente para os outros. Isso aguça seu próprio entendimento e o faz pensar mais profundamente sobre as questões.

Em segundo lugar, como eu descrevo em meu livro Destaque-se (Stand out), um elemento-chave do seu desenvolvimento profissional é o cultivo da sua marca pessoal. Quando você compartilha seu conhecimento publicamente, sua experiência pode ser reconhecida – e você vai colher os benefícios na forma de novos pedidos de clientes, respeito de seus colegas e oportunidades que você provavelmente ainda nem pode imaginar. Desenvolver uma reputação de excelência não acontece de um dia para  outro, mas um gotejamento constante de criação, digamos, de um post por semana, pode pagar enormes dividendos profissionais dentro de um ano ou dois.

Seu desenvolvimento como líder é um investimento a longo prazo que requer não apenas tempo e esforço, mas um planejamento cuidadoso. Se você fizer suas resoluções profissionais com uma compreensão clara de como você vai avançar em suas metas de aprendizado, networking e criação, você estará bem à frente da concorrência daqui a um ano.

Dorie Clark é estrategista de marketing e palestrante na Fuqua School of Business da Duke University. Ela é a autora dos livros Reinventing You e Stand Out.

Share with your friends









Submit