A resposta à pergunta “O que você deseja?” vai depender de quem é alvo dela. No caso do paciente no divã, talvez seja a aprovação paterna. No do ator, maquiagem pesada e a ovação da platéia. E no da modelo do calendário, uma caminhada pela praia no pôr-do-sol.

Numa empresa, é claro, salários justos e condições de trabalho minimamente aceitáveis são indispensáveis já para montar uma equipe. Mas é preciso muito mais do que isso para motivar o pessoal a dar o melhor de si. Um gerente costuma achar que “mais”, aqui, quer dizer incentivos externos como dinheiro, posição e segurança no emprego. Com isso, esquece que há quem dê muito mais valor à oportunidade de aprender algo novo, à satisfação de solucionar um problema difícil, à crença na missão da empresa.

No livro A Única Coisa que Você Precisa Saber, Marcus Buckingham aconselha o gestor a tratar cada funcionário como aquilo que ele é, um indivíduo, ajustando a motivação aos pontos fortes de cada um, a suas debilidades, àquilo que “desperta” seu interesse, a seu estilo de aprendizagem. A idéia, portanto, é descobrir o que funciona para cada um. E, em vez de ficar distribuindo dinheiro a torto e a direito, motivar com base nessa descoberta.

Entre em contato com Don Moyer no endereço dmoyer@thoughformdesign.com.

Share with your friends









Submit