Patrocinado

O design e a grande beleza

IED apresenta
3 de janeiro de 2018

Por Victor Falasco Megido, diretor-geral do IED Brasil

Estar na Itália é sempre revigorante. Todavia, desta vez, o motivo não foi dos mais felizes. Despedi-me do fundador e presidente do Instituto  Europeu de Design, Francesco Morelli, que, infelizmente, terminou seus dias. Nosso grupo nasceu há 50 anos com o intuito de mudar as regras da educação. Eram os anos 60 e o IED trouxe a proposta de oferecer design, inovação, proximidade com o mercado e profissionais como professores, em um ambiente informal e bonito.

Uma faculdade de matriz latina, fundada na Itália, e presente também na Espanha e no Brasil, desenvolveu aquilo que o sociólogo italiano Domenico De Masi chamaria de ócio criativo. A criatividade é uma fonte de imaginação pertencente a todos os seres humanos. Desconheço pessoas saudáveis vetadas ao mundo das ideias e da fantasia. Mas me pergunto, viajando por Roma, Florença, Milão e Veneza, onde o IED tem escolas, como pôde esse ecossistema peninsular tão pequeno ser altamente criativo e propulsionador de ideias?

Muitos livros já explicaram o fenômeno dos Medici, dos Papas, dos Doges e assim por diante. Talvez o denominador comum desses italianos desbravadores é terem preservado a filosofia que chamavam de “dolce far niente”. Eis a fonte da grande beleza! Para comprovar, bastam alguns passos em qualquer aeroporto do mundo para nos depararmos com as marcas italianas como Prada, Gucci, Bulgari, Armani entre outras. Isto é a consequência de um ecossistema rico em beleza e bom gosto.

De Masi explica que o ócio criativo une à fantasia das ideias livres a concretude “pé no chão” das realizações. De nada teria adiantado a  Michelangelo projetar a cúpula de São Pedro se não a tivesse também realizado. Portanto, design também é projeto.

De olho no mundo dos negócios, que une ideias às realizações, a missão do Instituto Europeu de Design no Brasil, desde 2003, tem sido fomentar a cultura do projeto e da inovação por meio do design thinking. A matriz desta atitude empática e solucionadora de problemas é a junção pensar, fazer e aprender de forma coletiva.

Design thinking é ócio criativo: é um ajuste ao obsoleto conceito de “negócio”, o qual nega o ócio, visto como perda de tempo; e ressignifica o “dolce far niente”, dando-lhe propósito. O conceito de ócio criativo foi o grande diferencial do design italiano no mundo, um jeito revolucionário e  extraordinário de fazer projeto, unindo funcionalidade, pensamento e beleza.

Max Weber escreveu certa vez que um ponto crítico do capitalismo é seu excessivo utilitarismo. Tudo, até o tempo, deve ser monetizado, calculado e controlado. “Um excesso desnecessário de virtude haveria de parecer um desperdício improdutivo condenável.” À crítica de Weber, parece responder a neuropsiquiatra Srini Pillay, autor best-seller de Harvard, que sugere aos executivos “se deixarem levar”. Ele demonstra com estudos científicos o valor do “dolce far niente”. E, assim, valoriza nos negócios a curiosidade humana, que pode ser estimulada, mas não forçada. Sempre há poesia escondida nos detalhes despercebidos. Detalhes aos quais o design dá tanta atenção.

A Francesco Morelli, presidente e fundador do IED, nossa gratidão por ter inventado, planejado, construído e ampliado esta bela obra italiana e hoje internacional, que formou e influenciou pelo mundo mais de 150 mil projetistas, criativos, detalhistas e designers. Certamente contribuiu para que o mundo se tornasse mais belo.
—————————————————————————————————————————–
Victor Falasca Megido é diretor-geral do Instituto Europeo di Design – IED Brasil. Formado em Comunicação pela Università La Sapienza, de Roma, e Executive Master em Marketing & Sales pela SDA Bocconi, de Milão, e pela Esade Business School, de Barcelona. Estudou como sociólogo Domenico De Masi, colaborando com os eventos formativos em Ravello, Paraty e São Paulo. Professor de cursos de pós-gradução, conferencista e autor de livros de Marketing e Branding. Trabalhou na área de Propaganda & Marketing de empresas multinacionais. Foi diretor-geral da agência italiana de comunicação Armosia no Brasil.

Compartilhe nas redes sociais!