Setembro 2013

Alison Beard entrevista Lorne Michaels

Experiência
Alison Beard

Lorne Michaels criou o Saturday Night Live em 1975 e passou cerca de quatro décadas à frente do programa, lançando comediantes, de Eddie Murphy a Kristen Wiig. Ele diz que há uma “pressão inimaginável” quando se vai “da página em branco a estar no ar em seis dias” toda semana. Mesmo assim, afirma que jamais vai se aposentar, porque “nenhum outro trabalho significará tanto para mim”. Entrevistado por Alison Beard

 

 

O novo e melhor keiretsu

Globo
Katsuki Aoki

Algumas das maiores empresas do Japão devem seu sucesso não só à tecnologia e ao processo de especialização, mas também a um fator muitas vezes negligenciado: durante a última década, elas, discretamente, foram transformando suas relações com o fornecedor em uma ferramenta para inovar mais rápido ao mesmo tempo que reduziam radicalmente os custos. Bem-vindo ao novo keiretsu — uma versão moderna do sistema tradicional de abastecimento do país.

Inovando o valor compartilhado

Inovação
Valerie Bockstette, Mike Stamp, Marc Pfitzer

Desde seu lançamento, em 2005, as sementes de canola e girassol, utilizadas para fazer óleo de cozinha, são as linhas de produtos mais vendidas da Dow Chemical. As sementes e os óleos oferecem muitas vantagens: produzem duas vezes mais óleo por hectare que a soja, tornando-se uma cultura atraente para os agricultores. O maior prazo de validade de “fritura” e na prateleira abaixam os custos operacionais do setor de alimentos.

Como as mulheres decidem

Liderança
Cathy Benko, Bill Pelster

Em 2005, sete sócios e altos executivos da Deloitte (incluindo o coautor deste artigo) se prepararam para uma reunião com um cliente em potencial, um grande hospital em processo de transformação. Ciente de que uma parte dos milhões de dólares do negócio seria ganho ou perdido em função da sua apresentação, debruçaram-se sobre seu conjunto de slides, colocando os “pingos nos is”. Revisaram tudo o que sabiam sobre o hospital e ensaiaram seu case, no qual a Deloitte era a escolha ideal.

Grandes líderes que fazem o “mix” da diversidade funcionar

Liderança
Katherine Connolly, Boris Groysberg

LÍderes empresariais enviam uma mensagem poderosa quando demonstram um compromisso sério com a diversidade e a inclusão. Mas como a diversidade chega ao topo da agenda de um CEO? Para descobrir, entrevistamos 24 CEOs de todo o mundo, que dirigem empresas e divisões corporativas conhecidas por abraçar pessoas de todas as origens. Esses executivos representavam uma ampla gama de indústrias e regiões, bem como diferentes estágios na jornada de criação de uma cultura inclusiva.

Mulheres em ascensão: barreiras invisíveis

Liderança
Robin Ely, Herminia Ibarra, Deborah Kolb

Muitos CEOs, que fazem da diversidade de gênero uma prioridade — definindo metas ambiciosas para a proporção de mulheres em cargos de liderança, insistindo em candidaturas diversificadas para cargos elevados e desenvolvendo programas de mentoring e de formação —, estão frustrados. Eles e suas empresas gastam tempo, dinheiro e boas intenções em esforços para construir uma linhagem de potenciais líderes, e depois pouco acontece.

Liderança força tripla

Liderança
Nick Lovegrove, Matthew Thomas

Há uma década, a Coca-Cola se viu diante de uma crise importante no sul da Índia. O governo e várias ONGs contestaram tão veementemente o consumo de água da empresa que a produção de refrigerantes na região foi proibida. A empresa utiliza água não apenas na própria bebida, mas também no processo de fabricação. Para produzir um litro de Coca-Cola eram consumidos mais de três litros de água.

Presidente da Enterprise diz como a integração de uma aquisição transformou seu negócio

Experiência
Andrew C. Taylor

Em 2007, a Enterprise Rent-A-Car estava comemorando seu 50º aniversário. Tínhamos muito para celebrar. Com mais de US$ 9 bilhões em receitas globais, éramos a maior locadora de veículos do mundo e uma das maiores empresas familiares nos Estados Unidos. Como líderes do setor, éramos abordados, de tempos em tempos, sobre oportunidades de aquisições, especialmente após várias fusões e vendas de nossos concorrentes, ocorridas na década de 1990.

Nossa mania de medir (e medir novamente) o bem-estar

Cultura organizacional
Jeffrey Gedmin

O economista Joseph E. Stiglitz, ganhador do Prêmio Nobel, ficou perplexo.

Em fevereiro último, enquanto falava em uma videoconferência à Comissão de Economia do Parlamento escocês, Stiglitz foi convidado por um deputado a dizer o que achava do Índice de Prosperidade Legatum. “Uh, não tenho certeza de que conheça os detalhes”, respondeu o espantado professor da Universidade de Columbia. “Há uma série de índices por aí.”

Primeiro, faça funcionar; depois, mude a marca

Branding
Fabio Villegas

Normalmente, quando as empresas se fundem, recebem autorização para trabalhar em rebranding. No caso das companhias aéreas, o novo logotipo é rapidamente colocado em aviões repintados, em uniformes reestilizados e na nova sinalização no aeroporto. Mas, depois de a Avianca e a TACA fundirem-se — cada uma com suas próprias e valiosas heranças, culturas e negócios —, resolvemos dar um tempo. Na verdade, esperamos mais de três anos para dar uma nova cara à empresa.

Mapeando o campo de batalha da guerra cibernética

Tecnologia
Matt Kodama Bill Ladd

Todos os dias, ladrões, hakers e mesmo países utilizam a rede global para roubar informações e prejudicar os negócios. Atualmente, as organizações têm de repensar suas defesas e passar da reação à antecipação — deduzindo quando, por que ou de onde virá o próximo ataque. Descobrimos que a maneira mais eficaz é fazer uma análise semântica.

Para reduzir os e-mails, comece pelo topo

Gestão pessoal
Karen Renaud, Chris Brown, Andrew Killick

A principal razão pela qual as nossas caixas de entrada do e-mail consomem uma parcela tão grande de nosso tempo é porque temos pouco controle sobre o número de mensagens que recebemos. Mas podemos controlar o número de mensagens que enviamos. Esse discernimento aparentemente óbvio estimulou uma redução significativa nos e-mails de uma empresa: após os executivos terem reduzido as mensagens enviadas, outros trabalhadores seguiram esse caminho.

Portáteis no local de trabalho

Tecnologia
H. James Wilson

Preparando-se para um tiro de 40 jardas, o vencedor do troféu Heisman, Cam Newton, posicionou-se para a corrida de curta distância e levantou o braço esquerdo, pronto para bruscamente baixá-lo, o que o lançaria para frente da linha de partida. O Forty, nome dado pelos entendidos, é o primeiro teste de velocidade pura. O disparo de Newton na “peneira” da NFL de 2011 mostrou que ele tinha muito arranque: cobriu a distância em 4,59 segundos.