Outubro 2011

Segmentando a base da pirâmide

Globo
Djordjija Petkoski, Michael Chu, V. Kasturi Rangan

É transpor a linha invisível que separa a base da pirâmide econômica em mercados emergentes para a empresa entrar num mundo de ciladas. Se embarcar numa iniciativa voltada apenas ao ganho comercial, é bem provável que sofra intensa oposição da sociedade civil e do poder público, como descobriu o consórcio multinacional Aguas del Tunari na Bolívia.

Como computar o risco em seu modelo de negócios

Gestão de risco
Karan Girotra, Serguei Netessine
No início de 2008, quatro empresários em Paris abriram a MyFab, uma loja de móveis na internet que está contribuindo mais para mudar o setor do que qualquer outra empresa desde a sueca IKEA. Em vez de montar grandes estoques de móveis, como fazem as concorrentes, a MyFab tem um catálogo de modelos possíveis.

Do courier ao e-commerce

Vendas
Marcos Monteiro
 
HBR: Como a TEX se especializou no atendimento a clientes do comércio eletrônico?
Marcos Monteiro:O segmento é hoje

A importância estratégica das compras

Estratégia
Osmar Vieira de Sousa Filho, Paulo Renato de Sousa, Paulo Tarso Vilela de Resende
 

A função compras está em franco processo de transformação. Cada vez mais, suas práticas e estratégias contribuem para reforçar a posição competitiva das empresas, pela contribuição que as decisões de suprimento trazem à geração de valor aos clientes. Nem todas as empresas, no entanto, percebem ou utilizam esse potencial de contribuição.

Como se tornar indispensável

Produtividade
John H. Zenger, Joseph R. Folkman, Scott K. Edinger

Um gerente que chamaremos de Tom era executivo de vendas de nível médio numa empresa do ranking Fortune 500. Com mais de uma década de casa, ia de vento em popa: batia metas, era prezado por todos, recebia avaliações reiteradamente positivas.

Como segurar gente de alto potencial

Equipes
Boris Groysberg, Claudio Fernández-Aráoz, Nitin Nohria

A guerra por talentos não dá sinal de trégua, nem em setores de crescimento modesto. Um estudo mundial que fizemos […]

A arte e a ciência de achar o presidente certo

Liderança
A. G. Lafley, Noel M. Tichy
 

 Em 30 de setembro de 2010, a Hewlett-Packard anunciou a escolha de Léo Apotheker, ex-SAP, para a presidência*. Pela terceira vez em pouco mais de uma década, o conselho preteria candidatos internos e buscava alguém de fora para chefiar a empresa. Menos de dois meses antes, em meio à gritaria na imprensa devido a alegações de conduta imprópria, Mark Hurd renunciara à presidência.

A economia sustentável

Economia
Jib Ellison, Rick Ridgeway, Yvon Chouinard
Ninguém, nos dias de hoje, nega seriamente a necessidade de práticas de negócios sustentáveis. Mesmo quem pensa só no negócio e não no destino do planeta reconhece que a viabilidade da atividade empresarial depende de recursos de ecossistemas saudáveis — água limpa, ar puro, biodiversidade robusta, terra produtiva — e da estabilidade de sociedades justas.

Um novo gás na Coca-Cola

Experiência
Muhtar Kent
Quando assumiu a presidência da Coca-Cola, em julho de 2008, Muhtar Kent traçou um ambicioso plano de crescimento a longo prazo — até num mercado supostamente maduro como o americano. A meta? Dobrar o faturamento até 2020. Kent está tentando rejuvenescer uma cultura que se tornara “arrogante”, voltada ao próprio umbigo.

De corpo e alma – Francis Ford Coppola

De corpo e alma
Alison Beard

Francis Ford Coppola diz que teve sucesso porque a vida inteira pensou “como um garoto de seis anos”. Coppola já produziu 72 filmes e dirigiu 33, entre eles O Poderoso Chefão e Apocalypse Now, tidos como dois dos melhores da história. Agora, está envolvido em uma produção pequena, pessoal. Também tem uma vinícola no Vale do Napa, onde, segundo ele, sua função é se concentrar no todo — “como um diretor de cinema”. Entrevista a Alison Beard