Fevereiro 2015

Como e por que mentimos no trabalho

Gestão pessoal
Tomas Chamorro-Premuzic

Embora todas as sociedades condenem a mentira, ela ainda é um aspecto comum da vida cotidiana. Pesquisas sugerem que, em média, os norte-americanos mentem quase duas vezes por dia. No entanto, o tipo de mentira varia muito de pessoa para pessoa. Na verdade, a distribuição de mentiras segue o princípio de Pareto: 20% das pessoas contam 80% das mentiras e 80% delas são responsáveis pelos 20% de mentiras restantes.

Então, como lidar com um colega de trabalho que você suspeita que pode estar mentindo?

Ascensão e (provável queda) da economia baseada no talento

Economia
Roger L. Martin

 

Quando Roberto Goizueta morreu de câncer em 1997, aos 65 anos, estava bilionário. Nada mau para um imigrante cubano que chegou aos Estados Unidos na adolescência.

Definitivamente, ele foi o primeiro imigrante a tornar-se bilionário nos Estados Unidos. Outros fizeram fortuna fundando e construindo companhias ou tornando-as de capital aberto. Goizueta fez a sua como CEO da Coca-Cola.

Deixe a tensão fora de conversas estressantes

Gestão pessoal
Holly Weeks

Nós vivemos conversando. É uma característica dos seres humanos. Nós batemos papo, tagarelamos, fofocamos e contamos piadas. Mas, às vezes, com mais frequência do que gostaríamos, temos conversas estressantes — aquelas trocas de palavras difíceis que conseguem nos ferir ou assombrar como nenhum outro tipo de conversa consegue. Conversas estressantes são inevitáveis na vida de qualquer um, e nos negócios elas ocorrem em várias situações, desde despedir um subordinado a, curiosamente, receber um elogio.

Transforme ciência em negócios

Inovação
Reddi Kotha, Phillip H. Kim, Oliver Alexy

O corpo humano de um adulto contém, em média, cerca de 40 litros de água que sustentam seus processos metabólicos. Vítimas de queimaduras podem perder aproximadamente 37 litros de água por dia devido aos danos causados à pele. 

Controlando a dependência de intermediários

Estratégia
Benjamin Edelman

Em um mundo mais digital, é natural que negócios e clientes dependam cada vez mais de várias plataformas dominantes. Obviamente, plataformas não são um assunto novo. Por mais de três décadas linhas aéreas têm usado sistemas de reserva computadorizados para atender agentes de viagem e clientes diferenciados. Mas a dependência de plataformas atualmente está em toda parte. Praticamente todos os varejistas procuram a Google para encaminhamento de clientes, e é raro encontrar um fabricante cujos produtos não sejam vendidos pela Amazon. 

Política e negócios se misturam?

Estudo de caso
Brian K. Richter

Assim que Harold Leeson, CEO da Natural Foods, parou no estacionamento da sede de sua empresa, o celular tocou. Era Kenneth King, um dos membros do conselho. Harold aprumou-se no assento antes de atender.

“Isso é um absurdo”, disse Ken imediatamente.

“Eu sei”, retrucou Harold, com voz arrastada de cansaço. “Mas nossa equipe de publicidade está me dizendo que isso vai se acalmar logo — as pessoas vão acabar esquecendo.”

Regras para negociar uma oferta de emprego

Gestão pessoal
Deepak Malhotra

NEGOCIAÇÕES DE OFERTAS DE EMPREGO raramente são fáceis. Considere três cenários típicos:

você está na terceira rodada de entrevista em busca de emprego numa empresa da qual gosta, mas outra empresa que você admira ainda mais acaba de convidá-lo para trabalhar. De repente, o primeiro gestor de contratações vai direto ao ponto: “Como você sabe, estamos analisando muitos candidatos. Gostamos de você e esperamos que o sentimento seja mútuo. Se fizermos uma oferta competitiva, você vai aceitá-la?”.

Questionar velhos conceitos abre caminho para a inovação

Inovação
Maria Christina Carvalho

Ao desafiar o antigo conceito de que o compressor de refrigeração é aquela bola preta que fica atrás das geladeiras e simplesmente distribui o gás refrigerado da mesma forma desde o início do século passado, a Embraco S.A. colocou-se na dianteira do setor. Segunda empresa em número de patentes requeridas no Brasil, a empresa acaba de lançar o Wisemotion, o primeiro compressor sem óleo, mais eficiente em consumo de energia e que promete ainda revolucionar o design das geladeiras.

 

A revolução silenciosa dos conselhos de administração

Governança
Richard D. Parsons, Marc A. Feigen

Nos últimos dez anos — sob pressão de acionistas, bolsas de valores e governos estaduais e federal —, os conselhos corporativos mudaram dramaticamente nos EUA. Um conselheiro ou uma conselheira voltando à sala de reuniões depois de uma licença de dez anos reconheceria pouco mais que os painéis na parede.