Colaboração

Como trabalhar com um perfeccionista

Alice Boyes
16 de Maio de 2018

Trabalhar com um perfeccionista pode ser desgastante. Embora seja ótimo trabalhar com colegas que se preocupam com a qualidade do seu trabalho, os perfeccionistas vão além. Por não priorizar a visão do todo sobre os detalhes, sua exigência implacável pode acarretar estresse desnecessário, conflito e prazos perdidos. Quando você tenta lembrá-los de que “a perfeição é inimiga do prazo”, eles podem achar que você é do tipo que não faz as coisas direito. O perfeccionismo é tão comum que, eventualmente, todos nós encontramos um perfeccionista no local de trabalho. Então, como colaborar com eles de forma mais produtiva? Tenho cinco sugestões tiradas de pesquisas psicológicas sobre o perfeccionismo e a ansiedade, que normalmente está por trás do perfeccionismo. Para os perfeccionistas, vou apresentar dicas de como criar relações de trabalho mais fortes e satisfatórias.

Descubra com que tipo de perfeccionista você está lidando
Na minha experiência, há dois tipos de perfeccionistas. Perfeccionistas fugidios têm dificuldade de iniciar tarefas. Os prazos desencadeiam sua ansiedade de fazer as coisas perfeitamente e, por isso, eles ficam enrolando no início de um projeto novo. Por outro lado, os perfeccionistas obsessivos têm dificuldade na hora de completar as tarefas.

Ambos os tipos de perfeccionistas têm dificuldade de estabelecer prioridades e de alocar seu tempo de acordo com o que é mais importante. Ambos os tipos também compartilham o hábito de expandir o escopo dos projetos. Mas a forma como você lida com essas características depende do tipo com o qual você está lidando.

Para as pessoas que têm dificuldade de começar, você pode ajudar esclarecendo a tarefa e dividindo-a em componentes menores. Para pessoas com dificuldade de finalizar, você pode focar a escolha de prioridades dos elementos da tarefa e lembrá-las de decisões anteriores sobre seu escopo.

Uma vez que os perfeccionistas muitas vezes têm dificuldade de estabelecer limites lógicos nas tarefas, eles podem achar muito útil ter alguém que faça isso para eles. Se você tem um relacionamento respeitoso e de confiança com seu colega, o estabelecimento de limites pode melhorar o relacionamento em vez de criar tensão. Isso é particularmente verdade quando o perfeccionismo deriva da ansiedade.

Não internalize expectativas irrealistas
Considere este cenário: seu colega perfeccionista de equipe quer que você atualize, toda semana, uma planilha de acompanhamento de 15 colunas, quando cinco colunas já é o suficiente e, sendo realista, ela só será usada uma vez por mês.

Perfeccionistas tendem a equiparar tempo à qualidade, então você precisa ser especialmente atencioso e diplomático ao explicar por que não quer gastar tanto tempo nesse projeto. O objetivo é explicar o custo de oportunidade de se gastar muito tempo preenchendo dez colunas de dados de pouca utilidade quando você poderia fazer coisas mais produtivas para a empresa. Seja específico e procure detalhar o que são essas “coisas mais produtivas”, e explique de modo claro e concreto por que essas 10 colunas adicionais não serão úteis.

Se essa conversa for difícil, não leve isso para o lado pessoal. Lembre-se de que todo mundo, inclusive você, tem suas próprias falhas. As tensões no local de trabalho são normais. Um encontro desafiador não reflete negativamente em você ou em seu colega como pessoas. Deixar-se envolver e trazer uma bagagem emocional desnecessária para a situação trarão consequências mais prejudiciais do que produtivas.

Descubra como o seu colega perfeccionista prefere receber feedback. Alguns preferem recebê-lo por e-mail, para que tenham a chance de processar, privadamente, qualquer possível reação defensiva inicial. Os perfeccionistas com autoconsciência costumam chegar a uma reação construtiva uma vez que tiveram tempo para que suas respostas iniciais mais fortes ao feedback diminuam.

Processos de apoio que ajudam a equipe a focar o quadro geral
Uma característica que define o perfeccionismo problemático é perder de vista o quadro geral. Embora seja o trabalho do líder da equipe desenvolver processos e manter todos na equipe focados nas prioridades chave, há algumas coisas que qualquer pessoa, em qualquer nível, pode fazer para ajudar. Durante as reuniões da equipe, você pode perguntar:

• Existe uma maneira mais simples de alcançarmos nosso objetivo?

• Podemos diminuir o tempo que estamos gastando?

• Qual é o custo de oportunidade de gastar tempo extra com isso versus outra tarefa?

Nos projetos em que você trabalha com um perfeccionista, você também pode tentar criar uma lista de verificação básica para ajudar o grupo a se manter organizado, aliviar as ansiedades envolvidas nas tarefas e garantir que nada seja negligenciado. Recorrer a um processo claro de tomada de decisões e documentar quais decisões foram tomadas também deve ajudar as coisas a avançarem.

Você pode incentivar o uso de heurística para tomar decisões que ajudam todos na equipe a estabelecer prioridades de maneira rápida e eficaz, como: “se uma oportunidade vale menos do que US$ X, nós a ignoramos automaticamente” ou “se um projeto leva mais de X horas para ser concluído, informaremos nosso gerente.”

Defina limites
As expectativas irrealistas de um perfeccionista podem, inadvertidamente, fazer com que seus companheiros de equipe sintam que seu tempo não está sendo valorizado. Vejamos o exemplo de um perfeccionista diligente que envia um número excessivo de e-mails — cada um com uma pergunta ou sugestão diferente — quando se sente sobrecarregado.

Pode ser tentador ignorar esses e-mails, ou mesmo responder de forma sucinta, mas, em vez disso, tente estabelecer limites.

Por exemplo, você pode optar por não responder aos e-mails do seu colega perfeccionista de noite ou nos fins de semana. Ou você pode decidir que responderá a todas as mensagens uma vez por dia, e só. Se e-mails de grupos de baixa prioridade estiverem sendo respondidos nos finais de semana ou tarde da noite, talvez seja necessário instituir uma política ou diretriz de equipe sobre isso.

É importante reconhecer que todos os indivíduos se envolverão em algum comportamento de auto-sabotagem que, por sua vez, afetarão o restante da equipe. Mas, ao estabelecer limites, você criará uma cultura que estimula o crescimento pessoal.

Aumente o sentimento de segurança por meio da influência mútua
A influência mútua ocorre quando um colega de equipe permite que você influencie seu modo de pensar e vice-versa. É um fator importante que ajuda a conferir maior sensação de segurança aos relacionamentos. Se os hábitos de um perfeccionista o irritarem, tente fazer um meio termo. Identifique elementos da rotina dele que possam ser úteis para incorporar à sua. Se você espera que alguém faça as coisas do seu jeito, você precisa mostrar que está disposto a fazer as coisas do jeito dela.

Quando as pessoas sentem um senso de segurança nos relacionamentos, é muito mais fácil receber feedback crítico. Existem várias maneiras de ajudar um colega perfeccionista a se sentir mais seguro. Mostre aos seus colegas perfeccionistas de equipe que você os têm em alta consideração e acredita no talento e na capacidade deles. Os perfeccionistas precisam saber que sua visão geral deles é positiva, e que pequenos erros, como um erro de digitação, não afetarão sua confiança neles. Quando um perfeccionista acredita que você fornecerá feedback sem julgamento, ele consegue superar com maior facilidade as barreiras emocionais e ter um desempenho melhor.

A dinâmica de relacionamento será diferente entre um funcionário e seu chefe versus um relacionamento entre dois pares. Entretanto, para que ambas as partes se sintam seguras, deve haver elementos de influência mútua, incluindo estar aberto e disponível. Perfeccionistas têm muitos pontos fortes e podem ser companheiros incríveis. Certifique-se de aproveitar a oportunidade de aprender com seus pontos fortes.
Compreendendo alguns hábitos comuns dos perfeccionistas, você pode entender melhor as perspectivas e dificuldades deles. Ao fazê-lo, você abre a porta para um relacionamento saudável, no qual vocês podem aprender um com o outro e construir um ambiente de trabalho mais harmonioso.
—————————————————————————
Alice Boyes, PhD, foi psicóloga clínica e se tornou escritora e autora de The Healthy Mind Toolkit e The Anxiety Toolkit.

Compartilhe nas redes sociais!