Patrocinado

A metáfora do copo meio cheio, meio vazio

IED apresenta
1 de abril de 2018

Por Victor Falasca Megido, diretor-geral do IED Brasil

Dependendo do ponto de vista, um copo pode estar meio cheio ou meio vazio. Provavelmente não exatamente como na bela simetria desta imagem. Mas o que você diria sobre ele?

Algumas pessoas estão treinadas para dar atenção à parte vazia, com o intuito de torná-la mais cheia. Os otimistas! Há aquelas que observam a mesma imagem, porém com outra atitude: olham o que falta para gerar mais vazio. Tendem ao vitimismo. Ou olham a parte meio cheia com o intuito de desvalorizá-la – os eternos insatisfeitos. Outras observam a parte cheia, para agradecer pela água. A palavra gratidão está na moda. Às vezes, só se esquecem de bebê-la!

Porém, um olhar mais atento, menos impulsivo e mais sintonizado dirá: “O copo está meio cheio e meio vazio ao mesmo tempo”. É assim a realidade, mais complexa, menos maniqueísta e mais desafiadora. Temos algo e nos falta algo, sempre. Não há situação ideal. É isso que diriam os filósofos e os designers! Para, em seguida, beber a água, matar a sede e encher novamente o copo, sem por isso serem menos otimistas ou menos gratos, só mais pragmáticos e assertivos.
—————————————————————————————————————————–
Victor Falasca Megido é diretor-geral do Instituto Europeu de Design – IED Brasil. Formado em Comunicação pela Università La Sapienza, de Roma, e Executive Master em Marketing & Sales pela SDA Bocconi, de Milão, e pela Esade Business School, de Barcelona. Estudou como sociólogo Domenico De Masi, colaborando com os eventos formativos em Ravello, Paraty e São Paulo. Professor de cursos de pós-gradução, conferencista e autor de livros de Marketing e Branding. Trabalhou na área de Propaganda & Marketing de empresas multinacionais. Foi diretor-geral da agência italiana de comunicação Armosia no Brasil.

Compartilhe nas redes sociais!